Anúncios

Ele era estimado o homem de confiança do ministro da saúde Mandetta, que igualmente está ameaçado de demissão pelo presidente. O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, vinha se queixando da postura de Bolsonaro sobre a pandemia.

O pedido de demissão de Wanderson Oliveira foi divulgado em nota oficial do Ministério da Saúde. Oliveira, assim como o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é absolutamente apropriado ao isolamento social para conter o coronavírus.

A saída inesperada de Wanderson Oliveira está sendo noticiada em todos os portais e causou influência, exactamente, por ela acontecer em meio à pandemia de coronavírus. Ele vinha sendo uma das autoridades do ministério que mais participavam das ações da pasta sobre o confronto ao vírus e estava evidente em boa parte das entrevistas coletivas da pasta sobre o tema.

Anúncios

Secretário Wanderson de Oliveira, que formulou medidas contra covid-19 pede demissão

Quem é Wanderson de Oliveira ?

Wanderson atua no Ministério da Saúde há pelo menos 15 anos. Com suficiente competência ele coordenou a resposta nacional à pandemia da gripe do vírus tipo A H1N1, em 2009, e da epidemia da zika congênita entre 2015 e 2016.

Junto com Mandeta, Wanderson de Oliveira foi responsável por ações rígidas e eficazes de vigilância, prevenção e controle de doenças transmissíveis no Brasil, igualmente pela vigilância de fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, saúde ambiental e do trabalhador e pela análise de situação de saúde da população brasileira, sem dúvida, alguém com larga experiência para combater o Covid-19.

Wanderson de Oliveira é doutor em epidemiologia pela faculdade de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Anúncios

Wanderson vai fazer muita falta, porque ele tem especialização pelo programa de formação em epidemiologia aplicada ao SUS, também tem centro de controle e prevenção de doenças da Georgia, nos Estados Unidos.

Fez aperfeiçoamento em epidemiologia pela escola de saúde pública Johns Hopkins, também nos Estados Unidos, e agora é professor da escola da fundação Oswaldo Cruz, em Brasília.

O que vai acontecer com a pasta?

Ninguém sabe, entretanto, o que sabemos é que o ministério da educação segue numa caminhada escura, o próximo, provavelmente será o ministro responsável pela pasta. No entanto, quem perde constantemente são os brasileiros.

Enfim, gostou? Então compartilhe e fiquem atentos ao nosso portal para ficar conectado com as notícias mais atualizadas do acontecimento.